Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o Homem Certo

As 4 estações

Começa o Outono que traz consigo o frio e a chuva e temos saudades do Sol quente e do calor

Vem o Inferno, muito frio e chuva. Que saudades do calor e de andar de t-shirt e calções. E dos dias longos de Verão.

Primavera a seguir Verão um calor abrasador, em que há dias que é quase insuportável e desejamos o Outono ou o Inferno. Depois vem a seca e desejamos chuva para os campos. Quando começa a chuvinha molha tontos achamos  chato. Chove muito, dias seguidos de chuva, constipações e pingo no nariz e queremos o calor, o Sol e tudo o que é bom no Verão.

Hoje chove e não levei chapéu. E já apanhei água na cabeça e amanhã estarei doente, beberei chá e ficarei a ver a chuva cair.

Nada tão bom e tão deprimente.

O mais certo é ir ver o mar até à praia e apreciar o cinzento do céu.

 

E desejar o Sol de Inverno

 

O Gato

Ontem quando saí do elevador apareceu me um gato, pequeno, cinzento, fofo, lindo, meigo.

Não me largava a miar, a roçar-se nas minhas pernas, à espera que abrisse a porta para entrar.

Peguei-lhe ao colo e entrei fiquei a pensar ficar com ele. Impossível, o cão já me dá despesas suficientes e trabalho.

Pensei em deixá-lo entrar, e ficar em casa ilegal, mas ainda me arranhava os sofás ou assim. E a minha mãe matava-me.

Deixei-o à porta. Miava que se fartava e eu cheio de pena do bicho.

 

Hoje de manhã não o vi. Devia ter dono.  Ainda bem.

Apetecia-me ter ficado com ele.

A tia Agustina faz anos hoje

 

Agustina Bessa-Luís é daquelas pessoas que gostava verdadeiramente de conhecer.

Confesso que sei mais sobre a sua genialidade que dos seus livros. Não é que sejam difíceis, mas há algo neles que me fascina e me enfada, e recomeça, e continua...

Amo as historias à sua volta, que normalmente têm sempre muita graça.

Adoro a junção Agustina/Oliveira.

Foi nos filmes de Manoel de Oliveira que descobri as suas histórias e a partir dos filmes começou todo o meu interesse pela escritora.

Não perco a oportunidade de ouvir sempre uma história de Agustina.

 

Sempre que vejo as suas fotos lembro-me da minha avó Francisca.

 

Parabens!

 

 

 

No Trabalho

Ligou-me a colega para a minha estação, o Bigodes queria falar comigo.

Pensei, humm que será? Não temos nenhum assunto pendente.

Uma colega ainda disse prepara-te que vais ouvir.

Pensei, hum , não tem nada para ralhar, confiante.

Cheguei à sua sala.

E ouvi um raspanete porque dei o numero pessoal dele, e não posso, em momento algum dar o numero e ele paga-me para não ter contacto com as pessoas e quando não conseguir resolver sozinho converso com ele e resolvemos, nunca o cliente fala directo com ele.

Ainda disse: Mas eu não dei.

Mas o Homem disse que tinha falado contigo e que tu tinhas dado. - Disse o Bigodes já bruto - Apanhou-me, cabrão, ainda era para explicar que tinha dado há mais dum ano, resumindo eu já estava farto do Homem e dei-lhe o numero directo e ficou resolvido.

E pronto. Acabei com: Tem razão Sr.. Bigodes, sim Bigodes, certíssimo, sim, com certeza.

E é tudo, era só isto.

E lá fui eu a minha a vida. Ainda pensei vou por um anuncio na net com o teu numero. Mas passou-me, o Bigodes tinha razão.

Não sei quê

Enquanto caminhava para casa tive a sensação de nunca mais chegar, como se tivesse andado Kms, e não eram assim tantos passos, senti que aquela sensação era uma metáfora para a minha vida.

Caminho, caminho e nunca chego a lado nenhum, ou ao lado que quero, a maioria das vezes nem sei bem para onde vou ou onde  quero ir, o importante é andar.

 

Faço contas, faço contabilidade mental, contas para pagar, gastos, desejos, férias. A cabeça não para. Faço orçamentos para este mês, para o próximo e o que há de vir depois. Já tenho as contas feitas até ao Natal, mentalmente claro.

 

Sonho, sonho, sonho, acordado, muito acordado, vou sonhando, A dormir também, misturo tudo nos sonhos e de manhã rio-me de ser tão parvo e criativo ao mesmo tempo no meu sonhar.

 

Escrevo posts na cabeça que mais tarde não me lembro ou não fazem sentido ou não escrevo para não me acharem atrasado ou não tenho coragem para o ser.

 

Mando toda a gente se foder mentalmente quando me chateiam a cabeça, e discuto com elas, e faço filmes. Mando o meu patrão para aqui e para ali, como quem diz vai pó caralho não me chateeis a cabeça, vai lá tu fazer, enquanto sorrio e dou-me ao trabalho de lhe tentar dar a volta e amansar a fera.

 

Cago naquilo que o meu chefe diz só para me chatear ou picar, para descarregar as suas frustrações. Com; já falamos sobre isso, ou outra vez a mesma conversa, ou com silêncio, para não o mandar para aqui e para ali,contudo como ele é muito teimoso, sei à partida que não me vai fazer a vontade.

 

Respiro fundo sempre que uma colega me vem contar a história de merda do filho, da prima, da mãe, da quadrilhice alheia, do que fez para o jantar, e respondo no automático para não ser mau e dizer apenas, não estou interessado.

 

Aperto o pescoço na minha imaginação ao meu colega cada vez que inventa uma historia, que lhe apanho uma mentira, que fala dos seus hoobies chatos, e tenho de gramar com a conversa por não ter tomates para o mandar para onde lhe apetecesse ir.

 

Prometo visitar o meu afilhado amanhã, beber o tal café prometido ao Pedro, almoçar com a Diana e Andreia que não vejo à séculos, mas amanhã não deu e a seguir sei que estou cansado, e assim se passam semanas, meses ou anos.

 

Respiro e respiro, fundo, para ser bom filho, para ter paciência, para dar atenção a todos, para ama-los incondicionalmente, sem isto ou aquilo, sem magoas ou remorsos, vou conseguindo uns dias sim, outros não.

 

Às vezes meto-me em off e levito de onde estou e viajo por aí, vou fazendo o meu trabalho, respondo aos colegas no piloto automático, faço gestos, e não estou ali, estou ou a viajar, a rever um filme, um livro, uma peça, qualquer coisa que me afaste dali, que me ocupe o cérebro, que me desconcentre e que me evada por umas horas, até que alguém se apercebe e me acorda daquele transe.

 

E assim é que não sei quê.

 

Quem tem medo da esquerda unida?

Eu tenho.

Faz me imensa confusão as três esquerdas coligadas.

Só pelo facto do PS ser europeísta, a favor do euro, e da presença de Portugal na NATO. Enquanto que o BE e PCP são contra.

Eu não sei se a vontade de Costa é tanta em formar governo, que se irá atirar a um lago de piranhas em que não sobrará os ossos, de tanta guerrilha dentro do governo que se criará.

Tanto o BE como o PCP são bons na oposição, fazem barulho, levantam questões, apresentam propostas, e normalmente fazem uma boa oposição.

Agora formarem governo parece me perigoso, já tivemos o exemplo de Tsípras na Grécia. Defendeu propostas que eram impossíveis de concretizar.

Não quero um governo da esquerda unida cheira-me que se assim for vamos ficar gregos para xuxu