Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

o Homem Certo

InviZimals

Nunca consegui acabar nenhuma colecção de cromos ou outra colecção qualquer.

Agora ajudo os meus sobrinhos a fazerem as deles. O meu sobrinho colecciona as cartas do inviZimals e a irmã as cartas do futebol que agora não me lembro o nome. 

A dele tem 432 cartas, e ainda só temos 147 e 39 repetidas, é rreviver um bocado a minha infância na deles. Vamos lá ver se conseguimos acabar a colecção.

 

Compramos uma casa

Hoje fizemos a escritura da casa. Consegui fazer um bom negocio, consegui comprar a casa 18 527 a menos do que foi avaliada. A imobiliária tratou de tudo. A sessão das escritura é uma chatice. A melhor parte é quando se apertam as mãos e se desejam as felicidades. A minha família ficou contente. Primeiro pensei comprar a casa para mim, contudo o meu namorado não gostou e passei o negocio aos meus pais.

A parte triste é que vou deixar a casa que vivi desde pequeno. Aqui fui feliz, sou um saudosista e gosto de guardar tudo. Esta casa é o meu ninho, conheço-lhe os cantos, o som e o seu cheiro. Sempre pensei como seria deixa-la. Pensei que quando saísse, sairia casado ou solteiro para uma casa próprio. Mas saio contente e feliz pela aquisição e por ser o impulsionador do negocio.

Quando a casa ficar vazia vou me despedir para sempre, e guardar todos os bocados dela que estão na memoria.

 

Estado Islâmico

Choca me sempre as noticias à cerca do Estado Islâmico. As decapitações, os castigos, a maneira como destroem tudo o que é contra o seu crer.

Ontem saiu mais uma, Estado Islâmico atira mais um homem de prédio por ser homossexual, foi um castigo, quem não cumprir com as suas regras é castigado e assim tentam manter o rebanho em linha. Em Janeiro e Fevereiro outros dois homossexuais tiveram o mesmo castigo, mas sobreviveram à queda, então foram apedrejados até morte.

Agonia me pensar na possibilidade de ser morto ou por ser estrangeiro, ou católico, ou homossexual ou simplesmente não respeitar uma regra do E.I. Penso muitas vezes na sorte de ter nascido em Portugal.

Muitas vezes imagino se tivesse nascido no Iraque, na Síria ou até mesmo na Arábia Saudita, entre outros... Sem poder fazer as nossas escolhas, o pensar livremente, o simples facto de escolher ler um livro qualquer ou mesmo um filme. Quanto mais amar um homem, sendo eu um homem. Se calhar saberia viver escondido, rejeitando a minha homossexualidade ou simplesmente fazendo vida dupla, quem sabe se com o medo não viveria frustrado com uma ou duas mulheres e iria vivendo rezando todos os dias para que esses desejos passassem. Felizmente nunca vou saber.

Espero que depressa o Estado Islâmico seja derrubado e tudo o que eles representam, sabendo que os fundamentalistas irão sempre existir, e que o Mundo nunca será perfeito, porém com esperança que o Mundo melhore a cada dia.

Passos Coelho e a Divida à Segurança Social

Não quero saber, juro!

 

Não tenho interesse nenhum na noticia. Infelizmente estou assim para a politica. E normalmente não há frase que me irrite mais: vi ou li nas noticias... é que quase de certeza que não quero saber, posso sempre lê-las se quiser. ok? Ah pior que isto só: li no Correio da Manhã, Já não consigo ouvir.

Lembranças do Fim-de-semana em Aveiro

Ainda não namorávamos mas combinamos um fim-de-semana, não sei porque escolhemos Aveiro, já estava de beicinho, e fiquei ainda mais apaixonado.

Fizemos a viagem alegremente, tudo programado, reservas feitas, pesquisei uma ou duas coisas para vermos.

No caminho o GPS ficou sem bateria, andamos às voltas, meio perdidos, depois de algumas perguntas lá demos com a pousada. 

Ainda não te conhecia bem ou quase nada, ainda não nos conhecíamos, (quase de certeza), há um mês. Ali deu para ver como éramos.

Não sei porquê, do nada lembrei-me, hoje de termos ido a um bar chamado El Greco, que tinha uma decoração horrorosa cheia de reproduções de estatuas da Grécia antiga. Sei que roupa usavas naquela noite, fiz te imensas perguntas que previam adivinhar te.

Saímos à noite, jantamos e almoçamos bem, porque o menino não se contentava com pouco. Visitamos museus e ainda te cansei com uma breve introdução à historia de Portugal, que ainda hoje continuamos.

Passeamos muito a pé, e ganhei o habito de gostar de passear sempre que possível e nunca desperdiçar o tempo que passamos juntos.

Conheci a pessoa simples, meiga e carinhoso que ainda hoje te reconheço, naquele fim-de-semana comecei te a amar e a pensar que te quereria sempre na minha vida.

Com altos e baixos cá continuas, cá continuamos.

 

Pág. 3/3