Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

o Homem Certo

Um cão chamado desejo

Andei três anos em busca dum Bulldog Frânces. Três anos a desejar ter um cão.

 

 

Queria um Bulldog Francês por serem bonitos, meigos, viverem bem num apartamento e sempre quis um.

Então numas ferias a Málaga lá encontrei um senhor que tinha cães para vender. Comprei dois, um para mim outro para o meu namorado.

Eu queria um preto,o preto era cadela, baptizei-a como Amália.

Trouxemos os cães no carro, tinham meses dois ou três, não me lembro e não me apetece fazer contas.

Foi a viagem mais divertida que fiz de carro, os cães comeram e fizeram cocó todo o caminho, e nem eu nem ele percebíamos muito de cães.

Não sei se avisei a minha mãe ou não, cheguei a casa e mostrei o meu cãozinho, cabia na minha mão pesava  600 gramas, linda, tínhamos medo de a pisar.

A minha mãe disse que não podia ser Amália,não tinha graça, então escolhi Diana e ficou este nome.

Comprei tudo o que fazia falta, levei-a ao medico.

Brincamos, corremos.

Odiava ir à rua, quase que a trazia à rojo de zangado que ficava.

Depois comecei a passear a Diana acompanhado  com uma amiga que tinha outra cadela e assim já andava atrás da outra.

Levei-a à escola canina para ver se conseguia ensinar-lhe alguma coisa, porque eu não tinha jeito para ensinar. Nunca consegui ensinar, mesmo assim o senta e fica, sempre foi à vontade dela.

Em cachorrinha fazia cocó em todo o lado e comia tinta das paredes, ate fazer buraco.

Levei-a sempre de férias (quando era possível) e adorava ter todo o tempo para ela e te-la ao pé de mim.

Começou a ficar doente, problema, numa pata, depois fígado, quando vimos estava doente, muito doente...

Nunca liguei muito, habituei-me a doença dela, e à sua condição física, brincávamos na mesma, passeava-mos menos.

 

Hoje deixei-a no veterinário internada,porque precisa de ficar a soro. Para dizer a verdade não me custou ter deixado-a lá, apesar de pensar nela e fazer confusão estar aqui a escrever e a Diana não estar a meter-se comigo, para lhe dar atenção.

E sei que necessita daqueles cuidados.

 

O pior nem é isto é pensar que o bicho está a chegar ao fim dos seus dias, pode ser amanhã, dois dias, dois meses, mas será pouco tempo.

 

E é isto.

 

4 comentários

Comentar post